Home Page Home Page Facebook Fale Conosco Administrativo

Notícia


02 de fevereiro: Apresentação do Senhor

Esta publicação foi criada em: 02/02/2019.
94 pessoas visitaram esta página.


Quarenta dias após o nascimento de Jesus (2 de fevereiro), José e Maria foram ao templo para oferecê-lo ao Senhor e pagar o resgate estabelecido na lei de Moisés. “Todo primogênito do sexo masculino será consagrado ao Senhor” (Ex 13,2; Lc 2,23). Na humildade, obediência e discrição, sem querer se destacar, Maria e José cumpriram o que prescrevia a lei. São Bernardo disse: “Hoje, a Virgem Maria leva ao templo do Senhor o Senhor do templo”.
A apresentação do Filho está unida à purificação da mãe. Ainda que não houvesse criatura alguma tão pura e cheia de graça, ela cumpre a lei. Era a impureza ritual, não moral.
As velas acesas nesse dia significam a luz de Cristo anunciada por Simeão no templo – “Luz para iluminar as nações”. O velho profeta, com o Menino nos braços exulta de alegria: “Agora, Senhor, deixai o vosso servo ir em paz, segundo a vossa palavra. Porque os meus olhos viram a vossa salvação que preparastes diante de todos os povos, como luz para iluminar as nações, e para a glória de vosso povo de Israel”. Mas é nas mãos de Maria que encontram o Salvador.
Nessa consagração do Menino a Deus, Maria renovava o seu “fiat”: “Faça-se em mim segundo a vossa vontade” (Lc 1,38). Colocava uma vez mais a sua vida nas mãos de Deus. Nunca se fez nem se tornaria a fazer uma oblação semelhante naquele templo.
Essa festa convida-nos a entregar ao Senhor, uma vez mais, a nossa vida, pensamentos, palavras, obras... Todo o nosso ser!
A vida do cristão deve ser uma oferenda ao Senhor, como as velas acesas que se consomem pouco a pouco enquanto iluminam. São Bernardo recorda-nos que “está proibido apresentar-se ao Senhor de mãos vazias”. Podemos oferecer tudo: o trabalho do dia, um sorriso no meio da fadiga, o trabalho na Igreja, as dores e lutas. Maria e José, na sua pobreza, só puderam oferecer dois pombinhos (cf. Lc 2,24). O santo diz: “Uma gota de água, em si mesma, não é senão água; mas lançada numa grande jarra de vinho, fanha outro ser mais nobre e torna-se vinho; e assim as nossas obras, que por serem nossas são de pouco valor, acrescentadas às de Cristo adquirem um preço inestimável”.
Simeão disse a Maria: “Eis que este menino está destinado a ser uma causa de queda e de soerguimento para muitos homens em Israel, e para ser um sinal de contradição. E uma espada atravessará a tua alma, a fim de que se descubram os pensamentos escondidos nos corações de muitos (Lc 2, 34-35). Os verdadeiros sentimentos do homem se manifestarão de acordo com a posição que tomar, contra ou a favor de Jesus Cristo. Os tempos em que vivemos confirmam essa verdade. A Igreja enfrenta hoje uma terrível oposição, por um laicismo que quer expulsar Jesus das escolas, das universidades, da mídia, das artes, da cultura.
“Uma espada atravessará a tua alma”. Os pecados de cada um de nós forjam a cruz do Senhor e a espada de dor da nossa Mãe Santíssima. Portanto, temos um dever de reparação e desagravo não só em relação a Jesus, mas também à sua mãe, que é também mãe nossa.
Felipe Aquino




Criado por: guiamongagua.com.br


Av. São Paulo, 1.679 - Centro - Mongaguá/SP
Tel: (13) 3448-5532 - paroquia.mongagua@gmail.com